domingo, 14 de outubro de 2012

O VENENO ESTAVA NO BANCO

Arsénio foi o veneno que estava no banco e foi decisivo na vitória difícil sobre o Portimonense por 1-0.

O golo foi em grande parte dele, embora apontado (também com mérito) por Fernando Ferreira, aos 60m.

O empate talvez fosse justo mas ainda bem que ganhámos, contra um adversário de comportamento lampião e um árbitro tendencioso.

Espero que a tremideira após o desaire na Vila das Aves tenha ficado para atrás, como aconteceu depois do desastre na Luz.

São os outros que estão atrás de nós (neste buraco de que quero sair - e esquecer - quanto antes).