segunda-feira, 29 de julho de 2013

ONZE DIAS DEPOIS

Depois de 10 dias fora, pouco mudou. O plantel não teve mais entradas. Encurtou com a saída de Ruizinho, a quem desejamos boa sorte no seu futuro. Um jornal, por invenção ou por qualquer sopro, aventa a hipótese de se esperar até 31 de Agosto e, no último dia, não haver, afinal, nenhuma entrada.
O Miguel Rosa é um bom jogador (não o deus que muitos adoram) e confesso que gostava MUITO de ver no Belenenses o islandês Gudjohnsen, jogador de prestígio, 71 vezes internacional, e que passou por Barcelona, PSV e Chelsea. Mas há tantos jogadores... É claro que, com o passar do tempo, o leque de opções diminui e o preço aumenta. Mas falam em rigor e a malta aplaude. Aplaude sempre. No Belenenses está instalado há anos o bota-acimismo.
Depois da vitória sobre o Sindicato e oempate com o Reading, os resultados não têm sido animadores. Um deles, embora azarado, foi terrível: a derrota 3-0 com o Estoril (que agora é olhado como grande potência!!!). O empate a zero com o benfica (e derrota em penalties, que nos atirou para o 4º e último lugar da Taça de Honra) teve pouco significado: foi a nossa equipa B contra a equipa C deles. Seguiram-se duas derrotas por 1-0 já na Holanda (onde, surpreendentemente) não defrontámos equipas desse país): contra o Kiryat Shmona (5º classificado de Israel e campeão no ano anterior) e com o Eskisehirspor (8º classificado da Turquia e 6º no ano anterior). Parece que até nem jogámos mal, que os golos sofridos foram absurdos; porém, a grande evidência é quie não concretizamos oportunidades. Em 4 jogos seguidos, não marcámos um golo.
No entanto, se não há motivos para optimismo, também não há para desesperos. Os jogadores só a pouco têm vindo a jogar, desde as contratações islandesas, ao contingente que esteve no mundial sub-20, e têm sido feitas muitas experiências ou encontrado soluções de recurso.

Pior são as saídas no facebook da SAD e uma piada de RPS aos belenenses que estão sempre de facas afiadas. São poucos, hoje em dia, por isso virá muito pior. O que está na moda é ser enxovalhado e agradecer. E dizer "calma" muitas vezes. Esta merda do "calma!" tira-me do sério. #$%&$#! Seremos de borracha, de plástico, que não possamos ter sentimentos autênticos? No facebook, se sofrermos um golo que nos põe a perder a 5m do fim, salta logo pessoal que, em vez do normal (golo marcado = alegria; golo sofrido = tristeza), atira com um "calma, ainda vamos ganhar"; se se falar em ir à final da Taça ou em ir buscar um jogador com 58 anos da II B, salta logo outro com um "calma; vamos devagar". IRRA!