sábado, 10 de agosto de 2013

BELENENSES CONQUISTA TROFÉU EM GRANADA

O Belenenses conquistou ontem o II Trofeo Diputación de Granada. Em jogo a que assistimos, na bela cidade andaluza - onde fomos muito bem recebidos - os 90m foram atingidos com 0-0. Na decisão por grandes penalidades, o Belenenses marcou 5 (Fernando Ferreira, Arsénio, João Afonso, Paulo Jorge e Ricardo Alves) e a equipa local transformou 4. Assim, conquistámos a taça (pena não ser tão bonita como a do ano passado).
 
A nossa equipa mostrou méritos e dificuldades. Entre estas, salta à vista mais um jogo sem golos com bola em movimento. A prioridade nº 1, a meu ver, continua por preencher. De resto, não fora a lesão de Duarte Machado, iríamos começar o campeonato só com um reforço (Danielson) no onze titular... A defesa sofreu as contingências das lesões de Duarte Machado e Kay. Em campo, só esteve um titular do ano passado. Paulo Jorge, que estivera em plano positivo contra o Huelva, foi um sobressalto contínuo para os belenenses presentes em Granada (eramos 9 no sector visitante de esquina; talvez houvesse mais um ou outro na central). Nenhum de nós percebeu como é que Van der Gaag permaneceu impávido perante isso (a todo o momento esperávamos uma modificação) e Fredy (como também Diakité, Meira, Mamadou...) teve que ir várias vezes compensar. Naturalmente, era quase só por aquele lado que o Granada atacava. Também não percebemos porque o trrinador tirou, a 3 minutos do fim, um dos melhores marcadores de penaltys - Fredy. Mas "tudo está bem quando acaba em bem" e Van der Gaag lá deve ter tido os seus bons motivos.
 
Nos méritos, há que destacar, antes de tudo, a atitude colectiva. Houve altos e baixos na exibição, houve elementos melhores que outros, mas a equipa actuou como um bloco, com grande solidariedade, e uma atitude competitiva assinalável. Ninguém virou a cara à luta, todos deram o máximo. Quando assim é...
 
Em termos mais individuais, houve dois gigantes: Matt Jones e Fredy. O primeiro teve uma mão cheia de defesas de qualidade superior, defendo um penalty nos 90m (com muito mérito) e outro no desempate; o segundo, encheu o campo, criou boa parte das oportunidades que gerámos e promete uma grande época.

Não vamos exagerar o feito de ontem. Temos que progredir bastante. Não obstante, com um orçamento de 30 milhões, ao que parece, o Granada ficaria certamente na primeira metade da tabela portuguesa. E o jogo era em casa deles (com umas 10/12 mil pessoas no estádio). Tiveram mais iniciativa, criaram mais "bruá", sobretudo com os seus passes em diagonais e os cruzamentos tensos, mas o Belenenses acabou por equilibrar em oportunidades e quando os 90m se iam aproximando até surgiu "mais por cima".

Apreciações individuais, com notas de 0 a 5:

Matt Jones - 4 (Muito bem. Só me lembro de uma  hesitação num cruzamento.)
Paulo Jorge - 1 (Converteu o seu penalty e fez uma boa arrancada, travada em falta já perto da área adversária, dando origem a livre perigoso. De resto, pareceu-nos bastante perdido em campo. Há dias e dias, outras vezes voltará a estar melhor).
João Meira - 3 (Oscilou às vezes mas acabou por fazer uma 2ª parte segura)
João Afonso - 3,5 (Não cessa de nos surpreender pela positiva. Esteve francamente bem, até a converter a sua grande penalidade. Antes disso, a meio do 2º tempo, foi agarrado na área adversária - mesmo em frente de nós - mas o penalty não foi assinalado.)
Filipe Ferreira - 3 (Muito regular. Exibição positiva, ganhando créditos).
Diakité - 3 (Actuou em plano regular, dobrando bem os colegas da defesa. Está a melhorar a jogada estudada nos cantos - quando atacamos -, em que é elemento fundamental).
Fernando Ferreira - 3 (Teve uma ou outras falha pouco habitual, no começo da 2ª parte, mas foi dos primeiros a assentar. Já está em boa forma e é, continua a ser, um pêndulo da equipa).
Danielson - 2,5 (Tem qualidade e até classe. Mas ficou-nos, novamente, a sensação de que lhe faltou um pouco mais de atrevimento. Como contra o Huelva, esteve melhor na 1ª parte)
Tiago Silva - 2  (Apareceu já em muito melhor condição física do que no jogo anterior. Manchou um pouco a sua exibição com o penalty que cometeu, embora também tenha havido mérito do jogador adversário)
Fredy - 4 (Até a defender esteve bem; até de cabeça criou perigo na área adversária. Logo aos 9m teve uma arrancada magnífica que quase dava golo e que contribuiu para sacudir a pressão inicial dos espanhóis. Está mais agressivo, no bom sentido, que em épocas anteriores)
Mamadou - 2 (Generoso, mexido, lutador mas precisa de mais sentido de baliza. Acho que isso pode ser trabalhado).
***
Arsénio - 1,5 (Converteu bem um penalty. Num lance em que podia ter aproveitado a sua grande arma, a velocidade, não o conseguiu. Lutou).
Deyverson - 2 (Algo preso de movimentos, alternou o bom com o disparatado. No entanto, esteve melhor do que esperávamos)
Fábio Sturgeon - 2 (Muito mexido, teve um grande remate, a uns 25m da baliza, que por pouco não deu golo. Promete)
Ricardo Alves - 1. (Esteve 3 ou 4 minutos em campo e converteu o último e decisivo penalty).