domingo, 20 de outubro de 2013

AS TAÇAS NÃO SE PLANEIAM

Tivemos o ano passado uma grande oportunidade na Taça de Portugal, e não lhe demos suficiente importância. E as oportunidades não estão sempre a passar. A deusa da fortuna só passa de vez em quando. A conversa de que era para este ano, "porque o plano e o projecto não sei quê" valia o que viu hoje.
 Não é que eu seja contra projectar e planear. No entanto, salvo um ou dois casos esporádicos, os plano e os projectos no futebol são "conversa para boi dormir", sintomas de anemia. Mais ainda, em se tratando de taças em que tudo se decide num jogo.
 Fica hoje o vazio de uma eliminação precoce. Dirão alguns "ainda bem para nos concentrarmos no Campeonato". Isso, a mim, só tem o condão de irritar.
 Apesar disto, não estou irritado com a nossa equipa. Teve erros graves (que conduziram à eliminação) mas fez uma boa primeira parte e criou oportunidades mais que suficientes para vencer. Tem algumas limitações, o que não é novidade, mas não desgostei do que vi - tirando a derrota, é claro. No desempate por penalties, depois dos 2-2 ao fim dos 90m e depois dos 120m. Também é verdade que Matt Jones já defendera um penalty ali por volta dos 75 minutos.
 Os nossos golos foram de Fredy. A arbitragem foi má. A assistência foi uma autêntica pelintrice.