sábado, 16 de novembro de 2013

ANDEBOL: A MAIS E A MENOS

Belenenses, 21 - Sporting, 22
Perdemos no último segundo, com o adversário a converter um livre de 7 metros.
Acontece. Já vi ganharmos e perdermos várias vezes no último segundo em Andebol.
Mais raro é estarmos a vencer (21-20) a 45s do fim e ainda perdermos. O normal seria esticarmos ao máximo a posse de bola para que só pudesse acontecer uma de duas coisas: ou resolver de vez o jogo ou só deixar tempo a que, na pior das hipóteses, o adversário tivesse uma bola para empatar. Houve alguma dualidade de critérios na questão do jogo passivo. Mas isso, nestes jogos, é o normal. Faltou-nos cabeça.
Foi assim que deitámos a perder uma excelente exibição em termos defensivos e uma estupenda recuperação.
Talvez pela frieza que vamos deixando crescer no Acácio Rosa (e não só...) com a nossa ausência, a equipa azul entrou pessimamente no jogo. Aos 3m57s de jogo perdíamos 0-4. O nosso treinador, Pedro Alvarez (na foto), que nos parece estar a fazer um magnífico trabalho, pediu logo, e muito oportunamente, um minuto de desconto. A partir daí, estivemos excelentes em termos defensivos. A atacar, Luís Nunes (10 golos) foi hoje a nossa grande solução. Fomos recuperando paulatinamente: havia 11-12 ao intervalo; aos 18-17 estávamos na frente. A nossa equipa não merecia ter-se traído a si própria naqueles segundos finais...
Já os adeptos mereceram e mereceriam muito pior, pela sua ausência, pelo seu amorfismo, pela sua falta de orgulho, por tudo. A 11 segundos do fim, com o jogo empatado, lá foi um magote de gente embora. As poucas tentativas de "puxar" pelo Belém não tinham solidariedade. O pouco que houve ainda se deve aos velhotes que, ao menos, aparecem. Já não tenho tempo, paciência ou idade para a Fúria Azul, mas deixo uma referência: neste jogo (e em outros) havia elementos e faixas de 3 claques do Sporting. Da FA (e excluindo-me) não tínhamos ninguém: zero.
Já sei que há gente que mora em Bragança e em Vila Real de Santo António, que ontem jogou a selecção, que até os 2 € do bilhete são um peso para muitos, que "as modalidades não interessam", que tudo o que estou a dizer é uma indecência, que não se pode exigir mais, e que só vai quem quer, blá-blá-blá. Todos os casos individuais são justificáveis mas há uma causa global que é um básico "quer que se lixe". Tenhamos ao menos a hombridade e humildade de o reconhecer, em vez de repetir o absurdo chavão do "poucos mas bons".
Só vejo uma única hipótese de haver uma "comoção", uma movimentação no CFB*: é se desaparecer o grelhador que costuma estar junto à entrada do pavilhão. 
 

* Contabilidade, Febras e Bejecas (ex-Clube de FutebolOs Belenenses)