terça-feira, 30 de julho de 2013

O MAIS COMPLETO QUE JÁ SE FEZ NO BELÉM



É um trabalho fantástico, começado há uns 6 ou 7 anos e que agora se retoma. Tem toda a actualidade sobre  Belenenses, não apenas alguma, filtrada pelos jornais que a todo momento nos rebaixam.

E é um trabalho anónimo (por não interessar receber elogios e créditos pessoais, tantas vezes imerecidos e absurdos, porque os projectos pessoais são ridículos face ao BELENENSES) levado a cabo pelo grande amigo e grande Belenenses Nuno Gomes.


segunda-feira, 29 de julho de 2013

OUTRA VEZ, OUTRA VEZ

Mais uma derrota. Mais 90 minutos sem marcar. Na despedida de jogos na Holanda, o Belenenses perdeu 1-0 com os turcos do Sivasspor, treinados por Roberto Carlos.
Na pré-época, em 7 jogos, somamos 1 vitória, 2 empates e 4 derrotas. Em golos marcados, o saldo é de 3-7. Dos 3 golos marcados, 2 foram de penalty. Limitamo-nos a enumerar factos simples mas que dão que pensar. Consideramos errada a política de contratações, do ponto de vista desportivo, começando por não colocar como prioridade total a contratação de um ou dois avançados.
Bem sei que o Fazendas de Almeirim está pior que nós, como alguns dos "eternos" bota-acimistas poderão lembrar...
 
 

ONZE DIAS DEPOIS

Depois de 10 dias fora, pouco mudou. O plantel não teve mais entradas. Encurtou com a saída de Ruizinho, a quem desejamos boa sorte no seu futuro. Um jornal, por invenção ou por qualquer sopro, aventa a hipótese de se esperar até 31 de Agosto e, no último dia, não haver, afinal, nenhuma entrada.
O Miguel Rosa é um bom jogador (não o deus que muitos adoram) e confesso que gostava MUITO de ver no Belenenses o islandês Gudjohnsen, jogador de prestígio, 71 vezes internacional, e que passou por Barcelona, PSV e Chelsea. Mas há tantos jogadores... É claro que, com o passar do tempo, o leque de opções diminui e o preço aumenta. Mas falam em rigor e a malta aplaude. Aplaude sempre. No Belenenses está instalado há anos o bota-acimismo.
Depois da vitória sobre o Sindicato e oempate com o Reading, os resultados não têm sido animadores. Um deles, embora azarado, foi terrível: a derrota 3-0 com o Estoril (que agora é olhado como grande potência!!!). O empate a zero com o benfica (e derrota em penalties, que nos atirou para o 4º e último lugar da Taça de Honra) teve pouco significado: foi a nossa equipa B contra a equipa C deles. Seguiram-se duas derrotas por 1-0 já na Holanda (onde, surpreendentemente) não defrontámos equipas desse país): contra o Kiryat Shmona (5º classificado de Israel e campeão no ano anterior) e com o Eskisehirspor (8º classificado da Turquia e 6º no ano anterior). Parece que até nem jogámos mal, que os golos sofridos foram absurdos; porém, a grande evidência é quie não concretizamos oportunidades. Em 4 jogos seguidos, não marcámos um golo.
No entanto, se não há motivos para optimismo, também não há para desesperos. Os jogadores só a pouco têm vindo a jogar, desde as contratações islandesas, ao contingente que esteve no mundial sub-20, e têm sido feitas muitas experiências ou encontrado soluções de recurso.

Pior são as saídas no facebook da SAD e uma piada de RPS aos belenenses que estão sempre de facas afiadas. São poucos, hoje em dia, por isso virá muito pior. O que está na moda é ser enxovalhado e agradecer. E dizer "calma" muitas vezes. Esta merda do "calma!" tira-me do sério. #$%&$#! Seremos de borracha, de plástico, que não possamos ter sentimentos autênticos? No facebook, se sofrermos um golo que nos põe a perder a 5m do fim, salta logo pessoal que, em vez do normal (golo marcado = alegria; golo sofrido = tristeza), atira com um "calma, ainda vamos ganhar"; se se falar em ir à final da Taça ou em ir buscar um jogador com 58 anos da II B, salta logo outro com um "calma; vamos devagar". IRRA!

quinta-feira, 18 de julho de 2013

BLUE CARD 2013-2014


Existirão 3 categorias de MetLife BlueCards - Central, Lateral e Inferior - Bancada Poente para sócios do Clube de Futebol "Os Belenenses".

Central - 122€ + IVA = 150€
Lateral - 73,17€ + IVA = 90€
Inferior - 49€ + IVA = 60€

Incluí 15 jogos Liga Zon Sagres e Jogos Particulares no Restelo.

Venda disponível na Secretaria do Clube.

terça-feira, 16 de julho de 2013

OS PRIMEIROS JOGOS

Belenenses, 2 - Sindicato dos Jogadores, 0
Golos de Fábio Sturgeon, na primeira parte, e de Si Salém, no segundo tempo.

Belenenses, 1 - Reading, 1
O único real destaque, que particularmente me surpreendeu bastante, foi a presença de público: cerca de 4.000 pessoas. Esperava bastante menos.

Quanto ao jogo, foi assim-assim. Dificilmente poderia ser muito melhor, atendendo aos poucos dias de trabalho e ao facto de terem estado em campo uns 45 jogadores. O Belenenses adiantou-se na 1ª parte, por Fredy, na marcação de penalty, depois de grossa asneira do guardião inglês. Foi o nosso melhor período. Ao cair do pano, depois de algumas ameaças, o Reading fez o empate, resultado justo. Ao Belenenses faltam reforços (sobretudo um ponta de lança e mais um central) e faltam jogadores que, por um motivo ou outro, só mais tarde regressam aos treinos. Isso foi bem patente no miolo, que foi onde se notaram maiores fragilidades, sobretudo nos últimos minutos. Naturalmente, já que Ricardo Alves, Tiago Silva e Danielson (e porventura algum reforço) só daqui a dias começam os treinos.
 
Alguns jogadores sobressaíram mais que outros (destacaria Fredy, Matt Jones e Arsénio), porém não houve nenhuma exibição brilhante nem nenhuma exibição desastrosa. A nota geral é "razoável".
 
Enfim, tivemos um jogo morno, embora não chato, entre uma equipa que volta da 2ª à 1ª (e que por isso teve muita simpatia do público) e outra que volta da 1ª à 2ª (mas do pujante futebol inglês). A nota pior foi a ausência do mínimo do tão propalado profissionalismo: pela primeira vez que me lembre não houve locução: e sugeriram que estivéssemos a partir das 18h30m...para nada.
 
 
 
 

domingo, 14 de julho de 2013

DEPOIS DE AMANHÃ

segunda-feira, 8 de julho de 2013

A SÍNDROME DE ESTOCOLMO

Síndrome de Estocolmo é um estado psicológico particular desenvolvido por algumas pessoas que são vítimas de sequestro. A síndrome desenvolve-se a partir de tentativas da vítima de se identificar com o seu raptor ou de conquistar a simpatia do sequestrador. Pode também chamar-se assim a uma série de doenças psicológicas aleatórias.
As vítimas começam por identificar-se emocionalmente com os sequestradores, a princípio como mecanismo de defesa, por medo de retaliação e/ou violência. Pequenos gestos gentis por parte dos raptores são frequentemente amplificados porque, do ponto de vista do refém, é muito difícil, senão impossível, ter uma visão clara da realidade nessas circunstâncias e conseguir mensurar o perigo real. As tentativas de libertação, são, por esse motivo, vistas como uma ameaça, porque o refém pode correr o risco de ser magoado.
Deste modo o portador desta patologia identifica-se com quem o violenta, e faz a sua defesa, pelo contrário revoltando-se contra quem o gostaria de libertar do seu cativeiro. A libertação passa a ser vista como violentação e vice-versa.
É importante observar que o processo da síndrome ocorre sem que a vítima tenha consciência disso.
 
 

EXCEPÇÕES

Depois de um fim-de-semana (ante-férias) sem Belenenses, sem notícias, sem querer saber, vejo que há apenas uma excepção com interesse, e por isso também abro a rara excepção de reproduzir notícia de um pasquim, neste caso de A Bola, e de que gostei (outra excepção), porque nos prestigia (outra excepção):
 
Adeptos do AIK despedem-se de Danielsson
Helgi Danielsson, reforço do Belenenses para a nova temporada, despediu-se, este domingo, do AIK de Estocolmo, onde jogou nos últimos quatro anos.
O médio islandês jogou os 90 minutos na vitória (2-0) do AIK sobre o Hacken, em encontro da 15.ª jornada da liga sueca. No final da partida, os adeptos da formação de Estocolmo agradeceram a Danielsson com uma tarja onde se podia ler «Obrigado por tudo Helgi».
Danielsson assinou por dois anos com o Belenenses e vai juntar-se ao plantel orientado por Van der Gaag no dia 23 deste mês. Depois seguirá para estágio com os azuis, estágio esse que decorrerá na Holanda".    
 
 

sexta-feira, 5 de julho de 2013

REFLEXÃO

Sou conservador em poucas coisas (embora seja tradicionalista, o que é diferente). Isso não me leva, porém, a defender revoluções de "chinelo" no pé, nem a desprezar o que foi feito em décadas, séculos ou milénios, com esforço e saber. Uma vez numa AG, um antigo Presidente do Belenenses, o juiz Gouveia da Veiga, disse isto, salvo erro por quase exactas palavras: "Os senhores agora é que sabem tudo. Antes de vocês chegarem, eramos todos umas bestas. Veremos no futuro o resultado de tanta sabedoria". E viu-se. Infelizmente...

Pois houve uns "patetas", uns "burros velhos" que (antes de eu nascer ou me fazer mentalmente adulto) fizeram do Belenenses um dos 4 grandes clubes portugueses. Fomos os primeiros em muitas coisas (muito mais do que se imagina). Descemos dessas alturas? Pois descemos; mas só descemos por lá ter subido. E aí, nesse pedestal, estivémos 70 anos. Em síntese, o que os "palermas" que eram BELENENSES fizeram, com os seus altos e baixos, foi um dos 4 maiores clubes portugueses. E começaram com nada, e desde o 1º momento a sofrer com a guerra aberta do Benfica, do Sporting e dos poderes já constituídos.

Veremos os que farão os frios gestores "muita bons" em gestão, profissionalismo e negócios. O que farão para o Belenenses, quero dizer. O que farão para si, é coisa muito diferente, e não necessariamente coincidente, ao contrário do que se dá por adquirido. Se correr mal para nós, veremos quantos dos grandes entusiastas cá estarão. Se correr bem, duvido que alguém fique mais satisfeito do que eu. Mas ainda assim, nunca terei por gestores e homens de negócio não Belenenses, nem por gente de plástico, o apreço que tenho por grandes homens e mulheres que deram muito da sua vida por amor ao Belenenses.
 
 

quinta-feira, 4 de julho de 2013

NÃO GOSTEI DO SORTEIO DO CAMPEONATO

Todos jogam com todos e, nesse sentido, haverá pouco a dizer. No entanto, atendendo aos aspectos psicológicos e às épocas do ano, diria que foi algo desfavorável ao Belenenses. 
Para mim, posicionando-me como adepto participante, é mau, em especial no que respeita aos jogos fora, que são quase em todos em datas inconvenientes para mim. À Luz, a Alvalade e a Braga irei de "certeza". Se não me fartar de vez...



VIRA O DISCO...E NÃO TOCA NADA!


http://www.record.xl.pt/Futebol/Nacional/1a_liga/Belenenses/interior.aspx?content_id=831276

http://www.abola.pt/nnh/ver.aspx?id=412904

E tivémos cinco meses e meio com as coias definidas para preparar a época!!!



BELENENSES NO MUNDIAL DE SUB-20

Com uma absurda derrota frente ao Gana, nos oitavos de final, terminou a participação de Portugal no Mundial de sub-20, onde estiveram presentes Rafael Veloso, Ricardo Alves e Tiago Silva, do Belenenses. Vergonhoso, entre outros actos de subserviência aos três porquinhos-porcalhões, foi o relegar de Ricardo Alves, sempre um dos melhores jogadores, para suplente. O seu substituto foi culpado de um golo, como já o fora contra a Coreia. Entrado na segunda parte, o nosso Ricardo esteve ligado aos dois golos de Portugal - mas não chegou.
Lembremos os resultados da nossa selecção:
Portugal, 3 - Nigéria, 2
Portugal, 2 - Coreia do Sul, 2
Portugal, 5 - Cuba, 0
Portugal, 2 - Gana, 3
Ricardo Alves participou em 3 jogos, totalizando 208 minutos; Tiago Silva, num jogo, com 45m. Rafael Veloso não chegou a jogar.
 
 

terça-feira, 2 de julho de 2013

2 de Julho 1933

Faz 80 anos. O Belenenses é Campeão de Portugal pela 3º vez, depois de vencer o Sporting por 3-1. Torna-se o clube com mais títulos, juntamente com o F. C. Porto. Era também o clube com mais internacionais pela Selecção Nacional.
 

GONÇALO BRANDÃO

O seu regresso de Itália ao Belenenses seria uma notícia que me agradaria.
Seria uma contratação lógica: precisamos pelo menos de um central (hoje os jornais falam de Renee Troost, holandês a jogar na Islândia - deste ultimo país referindo também o avançado Adalsteinsson) e o Gonçalo daria razoáveis garantias de qualidade.
Se não contratarmos um defesa esquerdo, poderia sempre colmatar uma eventual necessidade.
Contaríamos com mais um internacional A (no caso, actualmente, seria o único Português).
Enfim, a ter realidade a possibilidade de ir para o Olhanense, também não deveria estar fora das possibilidades financeiras do Belenenses.


segunda-feira, 1 de julho de 2013

A TRAPALHADA DAS CONTRATAÇÕES

Pode ser que saia bem. Épocas houve, tratadas em cimo do joelho,  à última da hora ou em situações periclitantes, que correram bem (v.g, 1987/88 e 2006/2007); e outras, preparadas com bastante antecedência, que correram mal (v.g. 2005/2006). Cinjo-me a tempos recentes ou relativamente recentes - mas, como é óbvio, fora da estúpida lógica popularizada de que ter boa memória é lembrar (só) os últimos 3/4 anos.

Dito isto, como princípio, penso que é bastante melhor preparar as coisas com tempo. Nesse aspecto, poucas vezes houve tanta folga para pensar a época seguinte e tantas expectativas que assim fosse. Em Janeiro, o regresso à 1ª divisão era certo, certíssimo (sei que há gente, mesmo que muito dada a contabilidade, que não sabe fazer contas; mas não posso crer que tal seja o caso dos responsáveis da SAD); e em Janeiro mesmo, parecendo confirmar em cheio  a esperança de coisas bem programadas, foi-se buscar uma série de jogadores de futuro: Rafael Veloso, Daniel Martins, Botaka. Havia, é claro (claro para uma minoria, diga-se) a hipótese de ir à final da Taça de Portugal e, assim, à Liga Europa. Mas suponho que - infelizmente - isso nunca foi tomado muito a sério nem como importante (seguramente, foi considerado bem menos importante que o títulozinho da 2ª, que muito caro nos há-de sair em termos "morais") e, praticamente, ficou afastado em 27 de Março.

No dia 1 de Julho, estamos quase na estaca zero e não se vê nenhuma lógica. Temos, apenas, Adilson (vindo do Atlético) e, possivelmente, o internacional islandês Danielsson (na foto). Ora, o que clara e urgentemente necessitamos é de um  avançado, um central, um defesa esquerdo, um nº 10 alternativo a Tiago Silva (tanto mais que Desmarets saiu e Si Salém parece fora do baralho); depois, como complemento, mais um ala e um nº 6.

Assim, sendo, nenhuma das primeiras prioridades foi preenchida. Nenhuma! Danielsson parece uma boa contratação. Mas para que lugar? Aparentemente para nº 6 ou nº 8. É benvindo, claro. Mas para essas posições, com Diakité, Ricardo Alves e Fernando Ferreira (sem esquecer o Ruizinho) não estávamos "à rasca", como estamos noutras posições. Adilson pode pegar de estaca. Pode e esperemos que sim. No entanto, é difícil esperar que seja de imediato a tal "mais-valia" ou que de imediato compense a perda de Desmarets.

Neste momento, e para já, o nosso plantel não é melhor do que o do ano passado e ficou deficitário do lado esquerdo (sem Nelson e Desmarets). Adicionalmente, fica claro que ainda se anda à procura do essencial. Há dias, eu pensava que o problema era a estratégia errada e não ir anunciando o que já tinhámos. Hoje, vejo que afinal a questão é mesmo que (ainda) não temos. E não mevenham com as crenças (mas será que esta gente nunca aprende?)ou a suposição de que Van der Gaag é a perfeição encarnada e não ("somente"), um treinador que a época passada fez um trabalho muito positivo.